• HOME
  • >
  • Notícias
  • >
  • 2013 - Mudança de cultura é essencial para blindar empresa da corrupção

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




01/02/2016

2013 - Mudança de cultura é essencial para blindar empresa da corrupção

Empresas brasileiras precisam investir na cultura organizacional para impedir atitudes antiéticas; como proteger empresa da corrupção foi tema de painel durante o Fórum Transparência e Competitividade
clique para ampliar>clique para ampliarCarlos Peres, Josmar Verillo, Olga Pontes, Ricardo Voltolini e Alex Mejía participaram do painel (Foto: Mauro Frasson)

Definir um código de ética claro e objetivo que seja aplicado pela gerência e colaboradores é a melhor forma de se proteger da corrupção. Estas e outra conclusões foram apresentadas no painel “Como proteger minha empresa da corrupção” durante a programação do Fórum Transparência e Competitividade, promovido pelo Sistema Fiep e pelo Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa (Unitar), nesta quarta-feira (06).

Confira a galeria de fotos do segundo dia do evento

O painel foi mediado pelo Gerente do Programa de Cooperação Descentralizada do Unitar, Alex Mejía, que ressaltou que os brasileiros ainda não têm uma visão real de como a corrupção afeta seu dia a dia. “Eu vejo que a corrupção ainda é concebida de uma forma muito utópica pelos brasileiros, porém ela atinge as empresas de forma muito tangível e prática”, ressalta.

O objetivo era mostrar como a implantação de processos internos pode ajudar a combater a corrupção e como os gestores e dirigentes devem agir nesses casos. Participaram da mesa a chefe global de segurança empresarial da Braskem S.A., Olga Pontes; o sócio da Price Waterhouse & Coopers Brasil, Carlos Alexandre Peres; o diretor-presidente da Amarribo, Josmar Verillo; e o jornalista e diretor-presidente da consultoria Ideia Sustentável, Ricardo Voltolini.

Interesse em ser transparente

Empresas de capital aberto possuem legislação que exige a divulgação de dados e informações de processos e transações, porém, quando a empresa não chegou nesse nível não é comum pensar na transparência. Para o diretor-presidente da consultoria Ideia Sustentável, Ricardo Voltolini, no Brasil as empresas têm o hábito de divulgar os chamados relatórios de sustentabilidade, porém, poucas aceitam ser auditadas. “Temos algo em torno de 300 empresas relatando sua sustentabilidade com base no Global Reporting Initiative (GRI). Porém, quanto maior a certificação, maior o nível de exigência e de assumir compromissos públicos. Temos talvez 30 a 40 empresas apenas que assumiram o compromisso de cumprir metas”, analisa Voltolini.

O relatório GRI permite que as empresas busquem melhorar seus processos e se espelharem em bons exemplos de companhias com certificações maiores. Segundo a chefe global de segurança empresarial da Braskem S.A., Olga Pontes, o relatório incentiva e motiva as empresas a serem transparentes. “Os relatórios e indicadores mostram também qual o caminho a se seguir para chegar ao ótimo, gera interação e é sempre uma exposição positiva”, relata Olga.

Antes de a empresa divulgar suas informações, é imprescindível que ela esteja preparada para os questionamentos que irão chegar. Para o diretor-presidente da Amarribo, Josmar Verillo, a empresa precisa estar preparada para responder às críticas e dúvidas. “Lidar com isso dá trabalho, porém é um aprendizado e faz parte da mudança de cultura para que essa transparência seja normal e se torne uma vantagem, caso contrário será um problema”, enfatiza Verillo.

Mudança de cultura

Um dos principais fatores que permitem que a corrupção não entre nas empresas é a conduta ética dos profissionais. Por isso, de acordo com o sócio da Price Waterhouse & Coopers Brasil, Carlos Alexandre Peres, é importante que seja elaborado um eficaz código de ética que esteja de acordo com a atuação da empresa e que seja aplicado por todos, desde os colaboradores até gerência e acionistas. “A desigualdade do nosso país favorece a corrupção em pequenas ações e isso é algo que precisamos amadurecer começando pela forma com que nos relacionamos”, completa Peres.

COMENTÁRIOS

lauratrott - Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017 - 07:45:43 - new york city/PI

Excellent read, Positive site, where did u come up with the information on this posting? I have read a few of the articles on your website now, and I really like your cheap assignment writing service Thanks a million and please keep up the effective work

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.