• HOME
  • >
  • Notícias
  • >
  • 2013 - Seis passos para barrar a corrupção na empresa

Envie para seus amigos

Verifique os campos abaixo!






Comunicar Erro

Verifique os campos abaixo!




31/01/2016

2013 - Seis passos para barrar a corrupção na empresa

A corrupção não ocorre apenas nos grandes órgãos públicos e privados. O pequeno e o médio empresário também têm de lidar com ela todos os dias, seja no relacionamento com fornecedores ou na própria emissão de uma nota fiscal.Para fugir da prática, que já é cultural em alguns meios, é preciso criar controles internos, baseados principalmente na comunicação com os funcionários e os demais colaboradores e fornecedores da organização. “Os controles internos são a solução para banir a corrupção. A empresa com um bom nível de controle consegue saber o que se passa em cada setor”, comenta o sócio da Price Waterhouse & Coopers Brasil, uma das maiores consultorias empresariais do mundo, Carlos Alexandre Peres.O impacto das maracutaias é grande também para a economia do Brasil como um todo. No Fórum Transparência e Competitividade, promovido terça e quarta-feira desta semana pela Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), o custo da corrupção para o país foi estimado em R$ 85 bilhões ao ano.

Confira os seis passos para proteger sua empresa da corrupção

Código de conduta

O empresário deve implantar um código de conduta, com informações sobre os princípios e os valores morais da companhia. As regras precisam ser tanto para os colaboradores como para os demais envolvidos – sejam fornecedores, acionistas ou membros da própria sociedade.

Comunicação

A divulgação do código de conduta precisa ser clara tanto para o funcionário de chão de fábrica quanto para o alto executivo. “Uma comunicação para todos é uma comunicação falha. Ela deve ser segmentada”, diz a chefe global de segurança empresarial da Braskem, Olga Pontes.

Exemplo

A mensagem de que a corrupção pode destruir a imagem da empresa, afetar os negócios e manchar a reputação da pessoa deve vir da presidência e da direção. “Nada desvaloriza mais um grupo do que um dirigente que não segue os valores propostos por ele mesmo”, relata o diretor-presidente da Amarribo, Josmar Verillo.

Gestão de riscos

É o momento em que a companhia verifica os processos que podem gerar algum tipo de dano/corrupção. O mapeamento deve ser feito em todos os setores, como o de compras, marketing, logística e informática.

Transparência

Mostrar que a empresa não é corrupta também faz parte do processo. Além de ser positivo para a imagem e ajudar no controle, atrai investimentos. “A transparência agrega valor ao negócio”, relata Peres, da PwC.

Monitoramento

O último passo é monitorar se o código de conduta está tendo efeito, se a comunicação é efetiva e se os processos da companhia realmente não deixam brechas para um possível ato criminoso. “Os controles não garantem 100% de certeza, mas já representam um começo”, afirma Peres.

 

Fonte: Gazeta do Povo online
Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?tl=1&id=1423285&tit=Seis-passos-para-barrar-a-corrupcao-na-empresa>
Acesso em: nov. 2013

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os seguintes erros foram encontrados:








    1. Os sites do Sistema Fiep incentivam a prática do debate responsável. São abertos a todo tipo de opinião. Mas não aceitam ofensas. Serão deletados comentários contendo insulto, difamação ou manifestações de ódio e preconceito;
    2. São um espaço para troca de ideias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua. Não serão tolerados ataques pessoais, ameaças, exposição da privacidade alheia, perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento;
    3. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado; informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos;
    4. Defendemos discussões transparentes, mas os sites do Sistema Fiep não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
    5. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de ideias.